quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Táctica

O Cristianismo cometeu um erro de cálculo quando presumiu que poderia controlar a moral da espécie humana recorrendo aos mitos do Paraíso e do Inferno. Quem vive e sobrevive sabe bem quão relativas são as condições de júbilo e holocausto, e sabe também que muito depressa o Éden se pode tornar o seu oposto (sem Éden deixar de ser), e vice-versa.

A proposta deveria ter sido outra. Aos bem-aventurados pelos seus pensamentos e obras deveria ser oferecida a continuação da sua existência. Ponto. Já os pecadores por palavras, actos, e omissões, seriam ameaçados com a cessação absoluta do seu Ser, sem nenhuma hipótese de arrependimento ou regresso. Seriam reduzidos ao zero, para sempre esquecidos, sem alma, sem história, sem qualquer contribuição para o nada se perde tudo se transforma dos mundos aquém ou além.

Surgiria assim uma Ética absolutamente diferente. Trágica. Inacessível à superficialidade. Os suicidas seriam escolhidos a dedo. Os fieis, seleccionados às três pancadas.

2 comentários:

valter hugo mãe disse...

teria sido uma bela proposta. faz sentido. algo que se visse e já. tipo, tenho 80 anos, mereço ter 80 anos. tenho 1000 anos, mereço ter 1000 anos. morri, não mereço viver. simples e mais nada.
abraço. tentarei ver o teu livro por aí. tenho alguma curiosidade. abraço

pedroludgero disse...

Obrigado pelo teu interesse no meu livro